Pouco espaço para instalar um tratamento de efluentes? Conheça as ETEs compactas e os seus benefícios!

 em Ambiental, Química

A estação de tratamento de efluente (ETE) e o seu tamanho estão diretamente relacionados à quantidade e de resíduos líquidos ou gasosos gerados dentro de uma indústria. Eles podem ser sanitários, provenientes de banheiros e refeitórios ou industriais, provenientes de diferentes processos de uma fábrica. O planejamento desse sistema leva em conta a caracterização do efluente a ser tratado e sua vazão, principalmente. Em alguns casos, não há espaço suficiente para a instalação do sistema adequado para determinado tipo de tratamento e isso pode gerar uma série de problemas, como por exemplo dificuldade em atender os parâmetros ambientais exigidos pelas normas. Em função disso, criaram-se as chamadas “ETEs compactas”, elas têm sido muito procuradas no mercado e saiba o porquê.

O que é e como funciona?

As ETEs compactas funcionam como qualquer outra estação de tratamento, porém os equipamentos utilizados são, normalmente, menores e mais simples. O grande diferencial delas é a seleção das tecnologias utilizadas e a configuração ou sequência dos equipamentos. São bastante comuns em locais com pouca geração de efluente como empresas de pequeno porte, shoppings, condomínios, entre outros. Alguns exemplos de processos realizados tanto em estações compactas quanto convencionais, eles podem ser químicos, físicos ou biológicos:

    • Coagulação/floculação: com a finalidade de remoção de cor e sólidos suspensos são usados sais inorgânicos como agentes coagulantes que provocam a aglomeração dos sólidos e facilitam a decantação.
    • Cloração: é o processo de adição de cloro à água. Esse processo anula a atividade de microrganismos patogênicos, algas e bactérias, tornando-a assim, apta ao consumo humano como água potável biologicamente.
    • Filtração: a água é filtrada por intermédio de camadas de areia e cascalhos ou esmagado por prensa, visando facilitar a desinfecção.
    • Sedimentação: separação sólido-líquido que se baseia na diferença de densidade. Para acelerar esse processo normalmente utiliza-se uma combinação com as operações de coagulação e floculação.
    • Neutralização: uso de componentes ácidos ou básicos para fazer o ajuste de pH.
    • Tratamento biológico aeróbico: a oxidação biológica se processa na presença de oxigênio. Assim ocorre nos lodos ativados, nos filtros biológicos, entre outros.
  • Tratamento biológico anaeróbico: a oxidação se processa na ausência de oxigênio.

Quais os benefícios?

  • Baixo custo: por ser uma estação mais simples e otimizada, os custos operacionais como gasto de energia, de uma forma geral, são mais baixos quando comparados à estações convencionais. Além disso, o custo para instalação e manutenção também é menor.
  • Possibilidade de reuso da água: a estação compacta possibilita o descarte dos efluentes em conformidade com a legislação ambiental, o que possibilita o seu reuso para outros fins.
  • Fácil instalação: a montagem costuma ser rápida e permite mobilidade das peças da estação, pois normalmente são feitas em módulos pré-fabricados que podem ser transportados por caminhões, trens e outros meios de transporte.
  • Fácil adaptação: são feitas de acordo com a realidade de cada cliente, levando em consideração o espaço disponível e o tipo de tratamento necessário.
  • Operação eficiente: são automatizadas, suportam variações de carga de entrada e atendem os requisitos da legislação.

Com a enorme quantidade de equipamentos e fornecedores disponíveis no mercado, é preciso avaliar e escolher bem como se dará o tratamento na sua empresa. Além da configuração da ETE e quais os processos que serão realizados, vários itens devem ser avaliados, como a qualidade dos materiais empregados para construção dos tanques e os projetos estruturais da ETE. Marcas e especificações dos equipamentos componentes são fundamentais, uma vez que garantirão a operacionalidade do sistema.

É também importante avaliar os projetos hidráulicos detalhados e o dimensionamento das ETE para que se possa garantir que um determinado processo de tratamento está de fato dimensionado conforme os requisitos de projeto.

Para saber qual ETE é mais adequada para a sua empresa e como deve ser feito o tratamento de forma adequada, entre em contato conosco. A CATALISA já trabalhou com tratamento de efluentes e sabe direcionar qual o melhor caminho para você!

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário